Biodiversidade

Gestão sustentável e restaurativa das florestas, integrando os valores dos ecossistemas e da biodiversidade, para melhorar sua capacidade de gerar e repartir benefícios à sociedade.

Metas 2030

KODS 2030

Ter 100% dos hotspots de atropelamento de fauna mapeados e com iniciativas para redução de acidentes.

Percentual de hotspots de atropelamento de fauna mapeados e com iniciativas para redução de acidentes 
2020Meta
15%100%

Nota: No ano de 2020 foi definida a localização e a quilometragem da malha rodoviária a ser monitorada para atropelamentos de fauna na Fazenda Monte Alegre. Outras iniciativas são o encaminhamento de parceria com o projeto “Bandeiras e Rodovias” (MS) e a participação no III Congresso Iberoamericano de Biodiversidade e Infraestrutura Viária para conhecimento das pesquisas científicas da área. Em 2020, foram realizadas reuniões com o TechLab (TI Inovação Klabin) para encontro de possível parceiro e início do diagnóstico de fauna atropelada no ano de 2021, assim como a criação de um aplicativo de monitoramento para os colaboradores, similar ao “Urubu Mobile”.

KODS 2030

Manter e potencializar o número de espécies de fauna dependentes de florestas de alta qualidade ambiental.

Número de espécies de fauna dependentes de florestas de alta qualidade ambiental 
2020Meta
80%Manter ou potencializar número até 2030

Nota: Foram consideradas as espécies de aves dependentes nas 3 unidades florestais (SP, SC e PR). Anualmente, a campanha de monitoramento de fauna é realizada e são encontradas de 78% a 85% das aves dependentes identificadas ( dados dos últimos 10 anos, 2011-2020). Em 2020, 80% foram encontradas, considerando a média dos últimos 5 anos. *As campanhas de monitoramento podem apresentar discrepâncias entre os anos, pois o sucesso das mesmas depende de diversas variantes, como, por exemplo, boas condições climáticas.

KODS 2030

Manter pelo menos 6 parcerias/pesquisas por ano baseadas em estudos de conservação da natureza e biodiversidade.

Número de parcerias ou pesquisas realizadas no ano baseadas em estudo de conservação da natureza e biodiversidade
2020Meta
23Mínimo 6 por ano

Santa Catarina: 18 pesquisas com a Universidade Estadual de Santa Catarina, sendo 9 pesquisas de mestrado, 3 TCCs e 6 doutorados.

Paraná*: 5 pesquisas com Universidade Estadual de Londrina, UNIOESTE, CESCAGE e PUC-PR, sendo 3 mestrados e 2 TCCs.

*Todas as pesquisas no PR foram paralisadas devido à pandemia da Covid-19, com exceção da pesquisa da UNIOESTE, em que foi possível enviar o material por correio.

KODS 2030

Conduzir a reintrodução de pelo menos 2 espécies que sejam comprovadamente extintas localmente e promover reforço populacional de outras 4 espécies ameaçadas

Número de espécies reintroduzidas comprovadamente extintas localmente 
2020Meta
25%Mínimo 2 até 2030

O projeto inicial, de reintrodução da espécie Aburria jacutinga, foi pausado devido às circunstâncias da covid-19. As etapas previstas pelo projeto para o ano consistem em:

1) Pareamento de jacutingas do plantel;

2) Nascimento de 2 jacutingas no Parque Ecológico Klabin;

3) Finalização de recintos de ambientação;

4) Chegada de novo grupo de indivíduos de outros estabelecimentos parceiros;

5) Soltura;

6) Monitoramento (intenso por 1 ano, distribuídos pelas 4 estações do ano; e depois, as espécies reintroduzidas serão incluídas no Programa de Monitoramento, para identificar a expansão das espécies na floresta).

As etapas 1 a 3 foram finalizadas em 2020.

KODS 2030

Disponibilizar 1 milhão de mudas de árvores nativas para recuperação de áreas degradadas.

Número de mudas de árvores nativas disponibilizadas para recuperação de áreas degradadas 
2020Meta
66.0711 milhão até 2030

  • 304-1

Áreas de proteção ambiental e áreas de alto valor de biodiversidade

RESERVA PARTICULAR DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN)
A Klabin possui duas RPPNs em suas áreas florestais, ambas prestam inúmeros serviços ecossistêmicos à região.
A RPPN Complexo Serra da Farofa está localizada em Santa Catarina e encontra-se em ambiente nativo sem interferências das operações florestais. Com florestas de araucárias e campos de altitude, abriga as nascentes dos rios Caveiras e Canoas. É destinada a pesquisas científicas, ao manejo de recursos naturais e à manutenção do equilíbrio climático e ecológico.
Já a RPPN Monte Alegre está localizada dentro da Fazenda Monte Alegre em Telêmaco Borba, no Paraná. Com uma área de 3.852 hectares, é um espaço também destinado à pesquisa científica, conservação da biodiversidade local e proteção dos recursos hídricos.


PARQUE ECOLÓGICO
Com 9.852 hectares, o Parque Ecológico da Klabin, localizado na Fazenda Monte Alegre (PR), impulsiona atividades de conservação da biodiversidade, reabilitação e bem-estar dos animais. Criado na década de 1980, o espaço é fechado a atividades de lazer e recreação, sendo usado para desenvolvimento de pesquisas científicas e apoio a projetos de educação ambiental.


ÁREA DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO (AAVC)
A Klabin possui AAVCs nas três unidades florestais, totalizando mais de 18.700 hectares caracterizados por sua relevância na conservação de fragmentos naturais, de espécies endêmicas e ameaçadas de extinção.

  • 304-1
  • RR-FM-160a.2

Unidades operacionais de áreas de proteção ambiental e áreas de alto valor de biodiversidade fora de áreas de proteção ambiental

 Complexo Serra do Farofa (RPPNe)RPPN Monte AlegreAAVCs
Localização geográficaSanta Catarina Paraná Nas 3 unidades florestais
Áreas superficiais e subterrâneas próprias, arrendadas ou administradas pela organizaçãoSuperficial própriaSuperficial própriaSuperficial própria
Posição em relação a área protegidaAdjacências da área2Dentro da áreaDentro da área
Tipo de operação da unidadeOperação extrativaOperação extrativaOperação extrativa
Tamanho da unidade operacional em km249,87 km245,23 km2187,38 km²
Valor para a biodiversidade caracterizado pelo atributo da área protegida ou de alto valor de biodiversidade situada fora da área protegidaEcossistema terrestreEcossistema terrestreEcossistema terrestre
Valor de biodiversidade caracterizado pela presença em lista de proteção (como do Sistema IUCN de Categorias de Gestão de Áreas de Proteção Ambiental, da Convenção de Ramsar, da legislação nacional)IUCN/ Legislação nacional – SNUCIUCN/ Legislação nacional – SNUC Proforest

* Mais informações podem ser encontradas nos resumos públicos dos planos de manejo.

**A RPPN Complexo Serra da Farofa está localizada nas adjacências da área, respeitando o mínimo de 10 km de zona de amortecimento.

  • 304-2

Impactos diretos e indiretos na biodiversidade

Natureza dos impactos diretos e indiretos na biodiversidade

  2020
AspectosDescrição dos impactos
Construção ou uso de fábricas, minas e infraestrutura de transportesAs unidades florestais constroem e fazem manutenção de estradas rurais. Em todos os casos há procedimentos para mitigar os impactos vindos dessa operação. Em casos pontuais, foram associados a ferramentas de acompanhamento da área ambiental.
Poluição (introdução de substâncias que não ocorrem naturalmente no habitat, oriundas de fontes pontuais e não pontuais)Temos levantamento de aspectos e impactos ambientais associados às operações florestais. Nesses documentos são previstas ações de mitigação.
Introdução de espécies invasoras, pragas e agentes patogênicosUtilizamos espécies exóticas para plantios comerciais. Nos casos de plantios para recomposição de área, são utilizadas espécies nativas. Há equipes dedicadas à atividade de eliminação de espécies exóticas invasoras das áreas de preservação permanente e vegetação nativa.
Redução de espéciesSão realizados levantamentos periódicos com consultoria especializada visando à identificação de quaisquer alterações nos ambientes (fauna e flora) em função do manejo florestal adotado. Não foram constatadas alterações negativas para os parâmetros avaliados. 
Conversão de habitatsNão se aplica, exceto para áreas de conversão de florestas plantadas para áreas de recuperação ambiental. Essa atividade pode ocorrer para restaurar funções ecológicas, maximizar os impactos positivos de corredores ecológicos e incrementar procedimentos de manutenção de recursos hídricos. 
Mudanças em processos ecológicos fora da faixa natural de variação (ex.: salinidade ou mudanças no nível da água subterrânea)O conceito de “hidrossolidariedade” está sendo aperfeiçoado e implementado. Esse processo considera o consumo de água das florestas ao longo do seu ciclo produtivo de modo a não afetar negativamente bacias hidrográficas vizinhas. Ou seja, a disponibilidade de água, principalmente, em pequenas propriedades rurais vizinhas. 

Impactos diretos e indiretos significativos

  2020
AspectosImpactos diretos e indiretos
Espécies afetadasNo cenário de manejo florestal, o impacto negativo em relação às espécies de flora nativa pode acontecer por conta da competição por luz e nutrientes quando há invasão de espécies exóticas em Áreas de Preservação Permanente (APP) e Reservas Legais (RL). Podemos citar como um impacto positivo a conectividade dos fragmentos florestais, permitindo o deslocamento da fauna. 
Extensão de áreas impactadasA área florestal da Klabin totaliza mais de 578 mil hectares. Por mais que esteja suscetível a impactos advindos da operação, tem sua gestão norteada pelo conceito de mosaico florestal, com plantio de pínus e eucaliptos entremeados a áreas de florestas nativas, preservando a fauna, flora e o recurso hídrico. 
Duração dos impactosContínua
Reversibilidade ou irreversibilidade dos impactosQuando uma não conformidade é identificada em campo, a operação é acionada para que providencie as tratativas iniciais, análise da ocorrência e necessidade de revisão ou elaboração de procedimento operacional. 
  • 304-3

Habitats restaurados ou protegidos

.2020  
AspectosParanáSanta CatarinaSão Paulo
Tamanho das áreas em km230,68 km²12,27 km²1,48 km²
LocalizaçãoAPP de fazendas sob gestão da empresaAPP de fazendas sob gestão da empresaAPP de fazendas sob gestão da empresa
Medidas de restauração foram aprovadas por especialistas externos independentes?Sim, empresa terceira Casa da FlorestaSim, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)Sim, empresa terceira Casa da Floresta
Parcerias com terceiros para proteger ou restaurar áreas de habitat diferentes daquelas nas quais a organização supervisionou e implementou medidas de restauração ou proteçãoPrograma Matas LegaisPrograma Matas Legais
Status de cada área com base em sua condição no final do período coberto pelo relatórioEm diferentes estágios de recuperaçãoEm diferentes estágios de recuperaçãoEm diferentes estágios de recuperação
Normas, metodologias e premissas adotadasControle de espécies exóticas invasoras, abandono e acompanhamento, assim como em casos pontuais plantio de espécie nativasControle de espécies exóticas invasoras, abandono e acompanhamento, assim como em casos pontuais plantio de espécie nativasControle de espécies exóticas invasoras, abandono e acompanhamento, assim como em casos pontuais plantio de espécie nativas
  • 304-4

Espécies incluídas na lista vermelha da IUCN e em listas nacionais de conservação

O monitoramento da biodiversidade ocorre anualmente nas três unidades florestais da Klabin, com o intuito de avaliar a influência das operações sob a conservação ambiental das nossas áreas. O acumulado até 2020 apresenta como resultado a identificação de 822 espécies de fauna e 1.905 de flora. Dentre estas, 705 espécies de fauna tiveram seu status de conservação reconhecido pela IUCN, sendo 28 delas classificadas como ameaçadas de extinção (CR, EN e VU); e 514 espécies de flora com status de conservação reconhecido, sendo 40 classificadas como ameaçadas.
A variação dos números entre um ano e outro ocorre por conta da atualização da listagem da IUCN, além de variações técnicas (por exemplo, alteração da nomenclatura por revisão taxonômica) e melhorias relativas à metodologia de análise dos dados.

  • 304-4
  • RR-FM-160a.3

Número de espécies incluídas na lista vermelha da IUCN e em listas nacionais de conservação 

 2020 2019 2018 2017 
 FaunaFloraFaunaFloraFaunaFloraFaunaFlora
Criticamente ameaçadas de extinção (CR)22111111
Ameaçadas de extinção (EN)515482846
Vulneráveis (VU)2123201621162117
Quase ameaçadas (NT)491450115211519
Pouco preocupantes (LC)6284606421656527264350
Total70551471720172810872083

Nota: O número de espécies de flora classificadas como LC sofreu um aumento considerável, devido à atualização da lista da IUCN.

Nota 2: Os dados de 2017 foram revisados, uma vez que a metodologia de contabilização/análise dos dados de biodiversidade foi reavaliada, impactando no resultado final.

  • RR-FM-160a.4

Otimização de oportunidades de serviços ecossistêmicos fornecidos pelas florestas

A valoração de serviços ecossistêmicos faz parte da nova fronteira da gestão empresarial, a medida que passa a incorporar o capital natural (ativo ambiental) junto com outros capitais da Companhia, como bens e produção. O projeto tem como objetivo identificar como a gestão florestal da Companhia interage com os serviços ecossistêmicos contribuindo para geração de impacto positivo.

Os estudos científicos conduzidos nos últimos 10 anos pela Companhia contribuíram na construção de indicadores relacionados à regulação da água e do clima, conservação do solo e nutrientes, entre outros. Em 2020, iniciaram-se estudos para a valoração de serviços ecossitêmicos prestados pela biodiversidade e recursos naturais da RPPN Complexo Serra da Farofa e Monte Alegre.

  • 103-1
  • 103-2
  • 103-3

Gestão da Biodiversidade

O cuidado com a Biodiversidade reside nas atividades florestais. Todos os procedimentos contemplam quesitos que auxiliam na conservação da biodiversidade e minimização de impactos ambientais.

As unidades florestais são auditadas anualmente por normas de Manejo Florestal Sustentável; seguimos os princípios e somos certificados pelo FSC® (FSC-C022516) – Forest Stewardship Council® nas três unidades: Paraná, Santa Catarina e São Paulo e, adicionalmente, pelo CERFLOR na unidade do Paraná. Também são realizadas auditorias dos clientes e de instituições financiadoras. Os compromissos da Companhia com o tema são amplamente divulgados e avaliados por equipe própria em vistorias internas e acompanhamento de planos de ação, quando pertinente.

Diversas ações contemplam a minimização dos riscos à biodiversidade. Uma delas é a análise dos processos operacionais e a instituição de regras para evitar danos ou mitigá-los, a exemplo das iniciativas relacionadas à hidrossolidariedade. Visando a manutenção de sistema sustentável de manejo florestal, são realizados monitoramentos de fauna e flora por empresa especializada externa.

Em 2021, 9 gestores (de consultores a gerentes), responsáveis por endereçarem o tema na Companhia, vincularam sua remuneração às metas de Biodiversidade da Klabin.

CENTRO DE INTERPRETAÇÃO DA NATUREZA
Com a inauguração do Centro de Interpretação da Natureza (CINAT), em março de 2019, o apoio a pesquisas voltadas à biodiversidade se fortaleceu. O espaço, localizado em ponto estratégico da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Complexo Serra da Farofa, em Santa Catarina, tem capacidade para alojar até 40 pesquisadores. Com quase mil espécies nativas diferentes identificadas (570 espécies de flora e 357 de fauna) ao longo de cinco mil hectares de Mata Atlântica e Campos de Altitude, a Unidade de Conservação é um importante local para o desenvolvimento de estudos. Em 2020, o CINAT foi um case premiado na 27ª Edição do Prêmio Expressão Ecologia, a maior premiação ambiental do Sul do Brasil.

COMPROMISSOS EXTERNOS
Somos signatários do CDP, Empresas pelo Clima, GHG Protocol, Diálogo Florestal e de diferentes acordos internacionais mantidos anualmente a partir das certificações de manejo florestal. Para o programa CDP Florestas, fomos reconhecidos como empresa líder (A), reforçando nosso compromisso de zero desmatamento.