Mudança do clima

Atuação propositiva dos negócios na construção de uma sociedade de baixo carbono e climaticamente resiliente.

Metas

KODS 2030

Reduzir as emissões de GEE do escopo 1 e 2 em 25% por tonelada de celulose, papel cartão e embalagens até 2025, e 49% por tonelada de celulose, papel cartão e embalagens até 2035.

Ano-base 2019, baseadas nas metas aprovadas pela Science Based Targets Initiative (SBTi).

Percentual de redução de emissões  
2020Meta 2025Meta 2035
4,3%25%49%

KODS 2030

Captura líquida de 45 milhões de toneladas de CO₂eq da atmosfera entre 2020 e 2030.

Captura líquida de carbono (milhões de ton CO2eq)
2020
4,5
  • 201-2

Obs: o mapeamento considera os riscos e as oportunidades descritos acima no panorama 2020 a 2040, configurando, assim, riscos de curto a longo prazos.

  • 305-1
  • RR-PP-110a.1
  • RT-CP-110a.1

Emissões diretas e indiretas de GEE

Emissões diretas (Escopo 1) brutas e biogênicas de GEE (ton CO2e)

 2020  2019 2018 2017 
Emissão brutaEmissão biogênicaMeta do anoEmissão brutaEmissão biogênicaEmissão brutaEmissão biogênicaEmissão brutaEmissão biogênica
Emissões diretas de GEE (por controle operacional e financeiro)      703.830,51            5.495.936,23  667.906,50      713.885,93            5.231.190,87      668.952,44            5.011.972,26      709.560,47            5.272.902,75

(Ano-base 2004, primeiro ano em que realizamos a quantificação das emissões de CO2 da Klabin S.A.).

  • RT-CP-110a.1

Percentual de emissões coberta por regulamentos 

  2020
Percentual das emissões cobertas por regulamentos81,3%

As unidades paulistas de Angatuba, Piracicaba, Jundiaí e todas do estado do Paraná estão cobertas pelo sistema de regulação do órgão ambiental estadual.

  • 305-2

Emissões indiretas (Escopo 2) de GEE provenientes da aquisição de energia (ton CO2e)

 2020 201920182017
ValorMeta do anoValorValorValor
Emissões indiretas da aquisição de energia30.141,9532.672,70 95.674,19 87.791,49 105.828,68
Método da localização77.768,60100.536,0095.674,1987.791,49105.828,68
Método da escolha de compra 30.141,9532.672,7039.207,2936.448,5143.664,22
% de compra de energia renovável62%61%61%61%59%

(Ano-base 2004, primeiro ano em que realizamos a quantificação das emissões de CO2 da Klabin S.A.).

A partir de 2020, optou-se por utilizar a metodologia de escolha de compra como principal para a mensuração de emissões indiretas (escopo 2), ao contrário dos anos anteriores que priorizava o método da localização.

  • 305-3

Outras emissões indiretas (Escopo 3) de GEE (ton CO2e)

 2020 2019 2018 2017 
 Emissão brutaEmissão biogênicaEmissão brutaEmissão biogênicaEmissão brutaEmissão biogênicaEmissão brutaEmissão biogênica
Outras emissões indiretas            456.879,85                         21.788,53            447.352,81                         21.830,46      170.465,99                 15.760,52      175.368,10                 12.893,64
Bens e serviços comprados              85.282,25 – – – – – – –
Bens de capital – – – – – – – –
Atividades relacionadas a energia não incluídas nos escopos 1 e 2          2.296,17                      269,35 * * – – – –
Transporte e distribuição (upstream)      367.581,24                 21.417,89      444.112,74                 20.551,09        62.558,65         85.539,32 
Resíduos gerados na operação             412,30 –             356,18 –             435,18 –             527,34 –
Viagens a negócio             413,97 –             938,90 –             729,74 –          1.256,17 –
Deslocamento de colaborador (casa-trabalho)             893,92                      101,29          1.944,99                   1.279,37          2.363,61           1.983,68 
Bens arrendados (empresa como arrendatária) – – – – – – – –
Transporte e distribuição (downstream) – – – –      104.378,81         86.061,59 
Processamento de produtos vendidos – – – – – – – –
Uso de bens e serviços vendidos – – – – – – – –
Tratamento de fim de vida de produtos vendidos – – – – – – – –
Bens arrendados (empresa como arrendadora) – – – – – – – –
Franquias – – – – – – – –
Investimentos – – – – – – – –

*Até 2019, este indicador não era mensurado.

(Ano-base 2004, primeiro ano em que realizamos a quantificação das emissões de CO2 da Klabin S.A.).

No inventário de 2020, houve uma mudança na classificação das emissões do transporte de produtos, que passou da Categoria 9 para a Categoria 4. Além disto, também passamos a contabilizar as emissões marítimas, emissões por bens e serviços comprados e emissões por transporte de combustível, também atualizando os valores do Escopo 3 do ano de 2019.

  • 305-4

Intensidade das emissões de GEE

 2020201920182017
Emissões totais (diretas + indiretas) – ton CO2e1.238.478,961.256.912,93 927.209,92 990.757,25
Quantidade produzida – ton produto4.454.653,874.368.164,12 – –
Intensidade de emissões (escopo 1 + escopo 2 + escopo 3) – kg CO2e/ton prod.278,02287,74218,93235,17
Intensidade de emissões (escopo 1 + escopo 2) – kg CO2e/ton prod.164,77185,33178,68193,54
Intensidade de emissões (escopo 1) – kg CO2e/ton prod.158,00 163,43 157,95168,42
Intensidade de emissões (escopo 2) – kg CO2e/ton prod.6,7721,9020,7325,12
Intensidade de emissões (escopo 3) – kg CO2e/ton prod. 102,56102,4140,2541,63

*Desde 2020, a Klabin passou a considerar as emissões de escopo 2 a partir da metodologia baseada na escolha de compra.

No inventário de 2020, houve uma mudança na classificação das emissões do transporte de produtos, que passou da Categoria 9 para a Categoria 4. Além disso, também passamos a contabilizar as emissões marítimas, emissões por bens e serviços comprados e emissões por transporte de combustível, também atualizando os valores do Escopo 3 do ano de 2019.

  • 305-5
Total de Emissões e remoções biogênicas – Escopo 1 e 3 – Ton CO2e         
 2020  2019  2018  
Escopo 1Emissões totais Emissões biogênicas Remoções biogênicas Emissões totais Emissões biogênicas Remoções biogênicas Emissões totais Emissões biogênicas Remoções biogênicas 
Combustão estacionária*519.672,665.476.114,06                                  –  522.040,835.212.862,00                                  –  493.302,954.995.496,96                                  –  
Combustão móvel**172.283,9619.822,18                                  –  179.397,3718.328,87                                  –  170.751,3916.475,30                                  –  
Emissões
fugitivas
5.369,35                                  –                                    –  7.106,00                                –                                    –  1.988,88                                –                                    –  
Processos
industriais
2,19                                  –                                    –  5,37                                –                                    –  6,70                                –                                    –  
Atividades de agricultura6.502,36                                  –  8.447.067,745.337,18                                –  8.226.543,682.902,52                                –  8.658.800,60
Total de emissões
 Escopo 1
703.830,515.495.936,238.447.067,74713.886,755.231.190,878.226.543,68668.952,445.011.972,268.658.800,60
 2020  2019  2018  
Escopo 3Emissões totais Emissões  biogênicas
*** 
Remoções biogênicas Emissões totais Emissões  biogênicas
*** 
Remoções biogênicas Emissões totais Emissões  biogênicas
*** 
Remoções biogênicas 
Transporte e distribuição
(upstream)
367.581,2421.417,89                                  –  75.417,097.086,89                                  –  62.558,655.279,13                                  –  
Resíduos gerados nas operações443,03                                  –                                    –  356,18                                –                                    –  435,18                                –                                    –  
Viagens a negócios413,97                                  –                                    –  938,90                                –                                    –  729,75                                –                                    –  
Deslocamento de funcionários
(casa-trabalho)
893,92101,29                                  –  1.944,99                   1.279,37                                  –  2.363,61                      231,95                                  –  
Transporte e distribuição
(downstream)
   368.695,65                13.464,20                                  –  104.378,81                10.249,44                                  –  
Bens e serviços comprados85.282,25                                  –                                    –  0,00                                –                                    –  0,00                                –                                    –  
Atividades relacionadas com combustível e energia não inclusas nos Escopos 1 e 22.296,17                        269,35                                  –  0,00                                –                                    –  0,00                                –                                    –  
Total de emissões
 Escopo 3
456.910,5721.788,53                                  –  447.352,8121.830,46                                  –  170.466,0015.760,52                                  –  

Redução de emissões de GEE como resultado direto de iniciativas de redução (ton CO2e)

 2020201920182017
Total de redução de emissões -18.433,9758.645,66    –  
Redução de emissões (escopo 1)-10.055,42040.608,03    –  
Redução de emissões (escopo 2)-17.905,59018.037,63    –  
Redução de emissões (escopo 3)9.527,04 0–      –  

(Ano-base 2019)

  • 305-1
  • 305-2
  • 305-3
  • 305-5
  • RR-PP-110a.1
  • RT-CP-110a.1

Metodologia utilizada para o cálculo dos indicadores, incluindo fatores de emissão e potencial de aquecimento global (GWP): Programa Brasileiro GHG Protocol.
Abordagem de consolidação das informações: controle operacional.
GEE incluídos no cálculo das emissões diretas (Escopo 1) e indiretas (Escopo 2 e 3): CO2, N2O, CH4 e HCFCs.
O ano-base escolhido de 2008 foi o primeiro em que realizamos a quantificação das emissões de CO2 da Companhia.

  • RR-PP-110a.2

Metas de redução de emissões de GEE (%)

 2020Meta de redução (2025)
Meta de redução de emissão absoluta (escopo 1)6,0%13,6%
Meta de redução de emissão absoluta (escopo 3)
Meta de redução de emissão específica (escopo 1 + escopo 2)4,1%25%

(Ano-base 2019, baseadas nas metas aprovadas pela Science Based Targets Initiative)

  • 305-7
  • RR-PP-120a.1
  • RT-CP-120a.1

Emissões atmosféricas de NOx, SOx e outras emissões significativas

 Unidade2020201920182017
NOxtoneladas      4.885,27                           4.654,33          4.374,83                5.437,03
NOx (excluindo N2O)toneladas    
SOxtoneladas      2.313,91                           4.036,17          2.813,06                1.789,18
Compostos Orgânicos Voláteis (COV)toneladas           50,45                                31,08               18,05                     87,45
Material particulado (MP)toneladas      5.485,70                           5.178,12          5.243,06                5.708,38
  • 103-2
  • 305-7
  • RR-PP-120a.1
  • RT-CP-120a.1

Fatores de emissão, normas, metodologias e premissas

A fonte dos fatores de emissão usados é o somatório dos resultados das campanhas de monitoramento de emissões atmosféricas das fontes de emissões da Klabin, realizado a partir de monitoramentos isocinéticos. Essas informações foram obtidas em relatórios de amostragem realizados por laboratórios terceirizados e acreditados para execução desse serviço. Para esses gases, é realizada medição direta nas chaminés, obtendo as concentrações e vazões dos gases. Dessa forma, é calculada a taxa de emissão, que é extrapolada para o ano todo, obtendo o valor absoluto.

As amostragens realizadas seguem as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e utilizam a metodologia de monitoramento isocinético e outras referências da CETESB.

Poluentes orgânicos persistentes (POP) e poluentes atmosféricos perigosos (HAP, na sigla em inglês) não foram determinados como condicionantes legais para o negócio.

  • 103-2
  • 305-7

Evolução do desempenho

Aplicamos os requisitos legais federais a todas as fontes de emissões, exceto nas unidades em que há legislação estadual específica e/ou limites de emissões condicionados nas licenças ambientais. A seleção dos limites de emissões obedece a legislação do estado em que a unidade está localizada. No ano de 2020, destacam-se os seguintes pontos relevantes:
1- Aumento das emissões NOx (+11,7%) no segmento de Papéis e Celulose, devido ao aumento da queima de biomassa residual e ao novo tratamento térmico para os gases GNCD.
2- Redução das emissões SOx (-17,7%) no segmento de Papéis e Celulose.
3- Aumento das emissões de MP (+4,63%) no segmento de Papéis e Celulose. Em 2020, iniciamos a operação do novo incinerador de gases não condensáveis (GNCC e GNCD) na unidade de Monte Alegre. Com esse novo equipamento, ampliamos o sistema de tratamento de GNC, reduzindo as emissões atmosféricas e melhorando a qualidade do ar da região.

Implicações financeiras, riscos e oportunidades associados às mudanças climáticas

Para essa questão ver TCFD.

  • 103-2
  • RR-PP-110a.2
  • RT-CP-110a.2

Gestão para o tema Mudança do clima

A gestão das mudanças climáticas está inserida na estratégia da Klabin sendo integrada na agenda de riscos e oportunidades para os negócios da Companhia e seus stakeholders. Possuímos as Diretrizes para Gestão de Mudanças Climáticas – Mitigação e Adaptação. Entre os principais norteadores, contamos com o Business Ambition for 1,5º C, campanha global da ONU, e o compromisso em reduzir emissões considerando a ciência e a neutralização das emissões até 2050.

Em 2021, 50% dos diretores tiveram sua remuneração variável atrelada a um Índice ambiental que inclui indicadores para gestão de água, resíduos e emissões. Além deles, 18 gestores (de consultores a gerentes), responsáveis por endereçarem o tema na companhia, também vincularam sua remuneração às metas de Mudanças Climáticas da Klabin.

A Companhia possui um histórico de investimentos e adoção de tecnologias de baixo carbono que permitiu que nos últimos anos (2003 – 2020) houvesse uma queda de 64%* de emissão de CO2 equivalente por tonelada de produto gerado. Reforça-se que entre os Objetivos Klabin para o Desenvolvimento Sustentável (KODS) está o compromisso em desenvolver metas de redução de carbono baseadas na ciência. Isso significa que as metas de redução de carbono da Klabin são desafiadoras e foram aprovadas pela Science Based Target initiative (SBTi), alinhadas ao desafio global de limitar o aumento médio da temperatura em 1,5°C.

Em 2021, a Companhia assumiu o compromisso junto ao Race to Zero. O intuito é engajar o setor privado e a sociedade civil na urgência de ações concretas no combate às mudanças climáticas, reduzir ao máximo as emissões de GEE e neutralizar o saldo, zerando totalmente seu balanço até 2050.

Para isso, a Companhia possui um pipeline de tecnologias de baixo carbono que poderão ser implementadas para atendimento das metas de redução. Utilizando a ferramenta Curva de Custo Marginal de Abatimento (MACC) foi possível identificar a efetividade das tecnologias, considerando as emissões evitadas durante o ciclo de vida útil e o investimento necessário (VPL), trazendo segurança e assertividade para o alcance da meta. A MACC apresenta-se como o plano de redução das emissões no período de médio e longo prazo e prevê investimento em tecnologias de baixo carbono de R$ 472,20 milhões até 2030.

Na linha de adaptação ou riscos/oportunidades do clima, a Companhia segue as recomendações do Task Force on Climate-Related Financial Disclosure. Em 2020, a Klabin tornou- se TCFD Supporter, tendo implementado e aprimorado ações nos pilares de governança, estratégia, gestão de riscos e metas/métricas.

*Desde 2020, a Klabin passou a considerar as emissões de escopo 2 a partir da metodologia baseada na escolha de compra

  • 103-2
  • RR-PP-110a.2
  • RT-CP-110a.2

Mecanismos e ações adotadas

A Companhia possui pipeline de tecnologias de baixo carbono que poderão ser implementadas para atendimento das metas de redução. Utilizando a ferramenta Curva de Custo Marginal de Abatimento (MACC) foi possível identificar a efetividade das tecnologias, considerando as emissões evitadas durante o ciclo de vida útil e o investimento necessário (VPL), trazendo segurança e assertividade para o alcance da meta.

A MACC apresenta-se como o plano de redução das emissões no período de médio e longo prazo e prevê investimento em tecnologias de baixo carbono de R$ 472,20 milhões até 2030. Entre essas tecnologias estão a gaseificação de biomassa, o crescimento da cogeração de energia com base renovável, o uso de biocombustíveis, o aumento de reaproveitamento de hidrogênio, a secagem de lodos e tall oil.

  • 103-2
  • RR-PP-110a.2
  • RT-CP-110a.2

Riscos relacionados às metas

O montante de carbono emitido anualmente pela Companhia está atrelado ao volume de produtos gerados. Por isso, ao desenhar a meta de redução de carbono, levou-se em consideração o planejamento estratégico e o crescimento orgânico, de forma a assegurar assertividade, sinergia e controle entre a produção e a meta de redução.

Ao considerar o planejamento de crescimento/processo produtivo, mitiga-se o risco de não cumprimento da meta de redução. Outro ponto relevante é o estudo robusto, com análise ambiental e econômica das tecnologias que devem ser adotadas para o cumprimento das metas de redução de carbono. A definição, a priorização e a aprovação do pipeline de tecnologias são fundamentais para a segurança do cumprimento da meta de redução de carbono.

  • RR-FM-450a.1

Riscos e oportunidades para o manejo florestal e produção de madeira relacionados ao clima

Os riscos e as oportunidades do clima estão inseridos nos processos de gestão e tomada de decisão da Companhia, especialmente aos relacionados ao manejo florestal, pela relevância que têm para o negócio.

Sendo assim, a área de pesquisa florestal da Companhia – Departamento de Eficiência e Ecofisiologia – monitora possíveis cenários climáticos futuros, desenvolvendo modelagem de dados relacionada a parâmetros climáticos e avaliando o impacto nas florestas plantadas e nativas. O Departamento recomenda as medidas necessárias em caso de efeitos adversos. Entre os potenciais riscos mapeados está, por exemplo, o aumento de temperatura na região do Paraná, onde está a principal área florestal da Klabin.

Esse aumento de temperatura pode trazer impactos negativos, como aceleração do ritmo de crescimento de pragas florestais, necessidade de maior irrigação nas florestas, entre outros. Assim, a Companhia investe em uma série de ações e linhas de trabalho, como fitossanidade, biotecnologia e melhoramento genético, para mitigar os potenciais riscos climáticos.

Como exemplo desse trabalho podemos citar que a equipe de pesquisadores da Klabin, considerando as projeções de mudanças climáticas para a região de operação florestal da Companhia, está trabalhando no desenvolvimento de novas espécies de pínus, mais adaptadas a climas quentes.

Saiba mais detalhes sobre os riscos climáticos identificados no tópico TCFD.

  • 103-2
  • 305-5
  • RR-PP-110a.1
  • RT-CP-110a.1

Comentários sobre desempenho geral

Escopo 1: no ano de 2020 houve uma redução de 1,4% das emissões de Escopo 1. É possível relacionar o resultado ao aumento na participação dos combustíveis renováveis, em 8%, na combustão estacionária, redução do consumo de combustíveis de combustão móvel e na utilização de gases de ar-condicionado. Houve aumento de 5% nas emissões biogênicas de escopo 1, devido ao aumento no percentual de queima de biomassa e licor preto nas caldeiras. Considerando a intensidade de emissões, houve um aumento de 3% na produção total da Companhia, fazendo com que nossas emissões específicas reduzissem de 163 para 158 kgCO2e/t.

Escopo 2: no mesmo período, obtivemos uma redução de 19% nas emissões referentes à energia comprada na abordagem por “localização” pela Companhia, apesar do aumento da produção total. Houve uma redução no consumo de energia nas unidades, além de uma pequena alteração no fator de emissão do SIN, reduzido em relação a 2019. Se considerarmos a abordagem por “escolha de compra”, nossas emissões de Escopo 2 totalizam 30.141,95 tCO2e, em 2020. Da energia comprada, 62% foram oriundas de fontes renováveis.

Escopo 3: no mesmo período, houve uma redução de 6% nas emissões absolutas do Escopo 3. Passamos a reportar as emissões marítimas de transporte de produtos, emissões relacionadas ao transporte de combustível, reforçando o compromisso da transparência dos processos e reporte. Houve uma alteração na categorização das emissões, em que passamos a considerar as emissões de entrega de produtos na Categoria 4 e não mais na Categoria 9.

As emissões brutas aumentaram 14% em relação a 2019, reflexo do acréscimo de categorias na contabilização do Escopo 3. No entanto, com as reduções observadas nos Escopos 1 e 2, a intensidade de emissões de gases de efeito estufa se reduziu em 3% no Escopo 1 e em 5% no Escopo 1+2.